January 16, 2018

,

Do Fundo do Baú: Dia da Maioridade – Ayumi se torna adulta


No último dia 8 de janeiro foi celebrado no Japão o "Dia da Maioridade", sendo inclusive mencionado por Ayumi em postagem recente nas redes sociais. E aproveitando a ocasião, dois fãs da cantora postaram no Twitter scans com declarações antigas, nas quais ela conta detalhes de sua cerimônia e até mostra algumas fotos.
O layout da página lembra um pouco o da revista ViVi e até pensamos que fosse, mas descobrimos se tratar da famosa GiRLPOP (revista bimestral que sempre deu grande destaque ao trabalho das cantoras, compositoras e grupos femininos, tornando-se a principal publicação sobre o cenário musical japonês). Descobrimos também que os trechos são de duas edições seguidas da revista: uma de março e outra de maio de 1999.
E além da cerimônia, Ayumi também falou um pouquinho sobre o "novo" single "LOVE~Destiny~", lançado em abril daquele ano.

Dia da Maioridade?!
O Japão é um país com muitas peculiaridades em sua cultura, o que pode ser visto nos costumes do dia-a-dia, na culinária, na escrita e até no calendário. Além de meses com nomes que refletem as tradições do país e alguns feriados prolongados com até uma semana de duração, o calendário japonês também tem datas comemorativas bem específicas. Temos, por exemplo, o Dia do Mar, o Dia do Equinócio de Primavera, o Dia do Respeito aos Idosos, o Dia dos Esportes e o Dia da Maioridade.
Este último acontece sempre na 2ª segunda-feira do mês de janeiro e homenageia quem completa 20 anos de idade no período entre 2 de abril do ano anterior até 1º de abril do ano vigente, atingindo então a maioridade. Neste dia, os "novos adultos" comparecem a cerimônias em trajes tradicionais, visitam templos e depois se divertem em festas com os amigos.
Nascida em outubro de 1978, Ayumi se tornou "oficialmente adulta" em janeiro de 1999 e contou alguns detalhes de como foi aquele dia.

"Ayu Aqui E Agora"
Mesmo com menos de um ano de carreira, nossa futura diva já era bastante popular entre as japonesas. Prova disso é que um mês antes do lançamento de "poker face", a GiRLPOP publicou uma nota dizendo: "Ayumi Hamasaki, a estreante que promete chamar as atenções em 1998. Seu primeiro single, que será lançado em 8 de abril, mostra apenas uma fração de seu enorme carisma. Não há dúvidas de que uma nova lenda está para nascer". Gente, isso foi profético!! Hahaha!
E a partir da edição seguinte, a revista lhe deu uma coluna fixa de página inteira para falar sobre seu dia-a-dia e assuntos de seu interesse. Alguém aí se lembrou do "Deji Deji Nikki", publicado mensalmente na ViVi até o ano passado?
Na estreia, em julho de 1998, Ayumi escreveu: "Todos vocês estão aqui, então Ayu também estará. Para mim, o objetivo maior é chegar ao fim do dia e poder pensar 'oh, que dia maravilhoso eu tive hoje'. Acho que valorizar o seu dia é saber tornar 'o momento' algo especial. A partir de agora, vou estar sempre aqui com vocês, por isso o quadro se chamará 'Ayu Aqui E Agora'...".
Hoje a GiRLPOP é publicada quatro vezes ao ano, mas nessa época era bimestral e deu destaque aos cinco primeiros singles de Ayumi, que (coincidência ou não) também foram lançados a cada dois meses. Até que em março de 1999, com mais de um milhão de cópias vendidas do álbum de estreia "A Song for XX" e já "adulta", Ayumi foi a garota da capa e fez sua primeira postagem sobre o "Dia da Maioridade".

Aos 20 anos, Ayumi é capa da GiRLPOP pela primeira vez. A chamada diz: "Ayumi Hamasaki e seu álbum 'A Song for XX' conquistam sua primeira capa nesta edição, que traz uma matéria especial de 14 páginas com entrevista e muitas fotos".

Não temos a imagem da página, mas estes foram o texto e a foto postados no "Ayu Aqui E Agora":


< Sobre o quimono para a cerimônia >
Estou de volta a Fukuoka, a cidade onde nasci. E o motivo é a minha cerimônia de maioridade! Nunca sequer sonhei que um dia voltaria aqui para isso, mas fiquei muito feliz. E depois fiquei preocupada (?).
Amanhã será o tão aguardado dia em que me tornarei adulta. Inclusive trouxe meu quimono de Tóquio e isso não foi fácil, porque ele é bem volumoso e pesado. O problema é que, de acordo com a previsão meteorológica, amanhã vai CHOVER em Fukuoka. Vai chover??!! Eu vim para minha cidade querendo um dia de sol! Será que os meteorologistas não poderiam verificar novamente, só para confirmar?
"A lenda de Ayumi Hamasaki, a Mulher da Chuva"(*). Acho que voltei à minha cidade para que caísse uma tempestade. E é horrível usar quimono em dia de chuva. Além disso, como faz muito tempo que não visto, me pergunto se vou conseguir andar direitinho, dando aquelas passadas curtas. Estou preocupada. E para piorar, o que vou fazer para arrumar este meu cabelo de "Chibi Maruko-chan"(**)?!
Argh! Acho que não nasci para esse negócio de quimonos. Vocês também acham, não é? Hahaha! Podem rir...
Na próxima edição, podíamos mostrar uma foto horrorosa da minha cerimônia. Que tal? Dependendo do resultado, pode ser que mudem de ideia, mas nunca se sabe...
Agora falando sério, daqui a pouco é hora de eu ir ao aeroporto. Vou recepcionar meu agente, que está vindo de Tóquio para fazermos um trabalho na minha cidade~!
Espere aí... Significa que voltar a Fukuoka para a cerimônia de maioridade fazia parte da minha agenda de trabalho?
Ah, tanto faz... Hahaha!

(*) A "Mulher da Chuva" é uma personagem do folclore oriental cuja presença atraía a chuva por onde passava.
(**) Protagonista do mangá/anime de mesmo nome. Achávamos que a personagem tivesse um cabelo horrível, mas é até bonitinho... O que você quis dizer com essa comparação, Ayumi? Hahaha!

Na edição seguinte, a GiRLPOP publicou um artigo sobre o recém-lançado "ayu-mi-x"; e em sua coluna, Ayumi deu continuidade ao assunto do número anterior.

Capa da edição de maio de 1999, com destaques para Ami Suzuki, MAX e SPEED.

Scan da página: reparem como o visual é parecido com o do "Deji Deji Nikki"!


Se tivesse que definir o dia 15 de janeiro(*) em poucas palavras, diria que foi uma guerra, uma batalha...
"Ayu Aqui E Agora" – Capítulo 6(**) – por Ayumi Hamasaki.
Hoje trazemos mais uma edição da série que acompanha o dia-a-dia de Ayu, que está prestes a completar seu primeiro aniversário de carreira. Hoje, conforme anunciado na edição anterior, mostraremos fotos suas de quimono durante a cerimônia de maioridade!

(*) Somente a partir do ano 2000 a celebração passou a acontecer na 2ª segunda-feira de janeiro. Na época desta revista, a data era fixa, em 15 de janeiro.
(**) A série durou apenas 10 capítulos.

      

< Em traje de gala por tão pouco tempo >
Como prometi na edição anterior, vou começar falando sobre a cerimônia.
Resumidamente, fiquei em pânico e acabei deixando o local! Embora possa ter causado um problema para as pessoas que foram assistir à cerimônia, a verdade é que eu estava bem chateada. Pensando bem, dá para rir daquela situação. Logo cedo, todo mundo foi ao salão de beleza arrumar os cabelos e teve o trabalho de se vestir a rigor, entusiasmados com a ocasião. Para no fim das contas, eu desaparecer de lá em menos de 5 minutos. E a maquiagem estava grudenta, ficou um horror.
Mas enfim, como sou do tipo que vê o lado bom de tudo, foi muito legal saber que amigos e outros jovens que, como eu, também abandonaram a escola ficaram felizes em me ver. Isso me deixou bem sem jeito.
Se tivesse que definir o dia 15 de janeiro em poucas palavras, diria que foi uma guerra, uma batalha. Sendo assim, esta foto mostra o meu período de paz antes que a batalha começasse. Tem mais fotos que tirei desde que voltei à cidade, mas não posso mostrar de jeito nenhum, ou não vou mais poder sair na rua... Não, estou brincando.
Talvez tenha exagerado um pouquinho, mas apesar de tudo que houve, Fukuoka é demais!! YEAH!!

< A música nova é do tipo "pague uma e leve duas"?! >
Hoje faremos as fotos para a capa do meu 7º single, que aliás, será um pouquinho diferente dos anteriores. Até porque lembra o que fizemos em "WHATEVER"; a diferença é que ao invés de uma música com dois arranjos diferentes, teremos duas letras diferentes com a mesma melodia.(*)
Além disso, teremos mais surpresas: uma das letras foi composta por Tsunku-san!(**) Acho que todos ficaram surpresos ao saber disso, mas sendo bem sincera, quem ficou mais surpresa foi eu. Obviamente que o resultado ficou bem diferente, em muitos sentidos.
E como teremos várias novidades neste single, aqui vai mais uma: como queria muito fazer algo diferente na capa, pela primeira vez decidimos incluir uma segunda pessoa junto comigo. Fiquem ligados~♡

(*) No total, "LOVE~Destiny~" tem 3 versões diferentes: a balada que vemos no pv, com letra de Ayumi e arranjo de Tsunku; a versão dance "LOVE~since1999~", na qual Tsunku compôs a letra e fez dueto com Ayumi; e uma versão da primeira com letra e arranjo novos chamada "LOVE~refrain~", que está no álbum "LOVEppears".
(**) Tsunku (nome artístico de Mitsuo Terada) é um famoso produtor musical e um dos mais bem-sucedidos letristas do Japão. Além de ter sido vocalista do grupo de rock Sharam Q, é mais conhecido por produzir e compor músicas para idols do "Hello Project".

      
 Capa e contracapa do single.


Vício da Ayu – "vintage (brechós)"
Até pouco tempo atrás eu era da tribo do jersey, mas ultimamente estou viciada em brechós. No momento, só tenho três jaquetas e calças jeans, mas a ideia é mudar meu guarda-roupa. O problema dos brechós é que a aparência nem sempre condiz com os preços. Outro dia levei um susto quando peguei algumas peças que me interessavam e levei ao caixa!! Quase perguntei "tem algo errado aí, não tem?". Roupas usadas são uma grande tendência, mas por que aparentam estar cada vez mais sujas? Ayu.


Nossos agradecimentos aos fãs 'Yuri♡TA' e 'miku' por terem disponibilizado o scan e os textos no Twitter!

January 02, 2018

, ,

Relatório dos Shows: Osaka


Como se não bastasse o fato de o show começar com 1 hora de atraso por problemas na aparelhagem, algumas músicas foram cortadas da setlist(*). Mesmo assim, o público animado de Osaka não deixou de enviar boas energias ao palco durante toda a performance. Isso incluiu os que precisaram deixar o Hall durante o encore – talvez preocupados com o horário do último trem.
(*) O show marcado para as 19 horas começou às 20:05, e as músicas cortadas foram 'GAME', a intro 'Pieces of SEVEN' e '1 LOVE', além de 'WORDS', que abria o encore (Ayumi começou com 'evolution' logo de cara).

Ao lembrar disso, pensei no que deveria escrever... Depois de pensar bastante, parei e apaguei tudo que tinha escrito. Quando percebi, vi que tinha passado todo o dia de ontem sem conseguir escrever nada.
Mas assim que amanheceu, uma pergunta ficou martelando minha cabeça: o primeiro show na cidade foi ruim? Minha resposta franca para isso é: "foi incomum, mas pude ver minha versão favorita da Ayu". Pensando assim, fui até o computador decidida a escrever.
Claro que não há problemas se o ponto de vista de outra pessoa for diferente. Mas... E se for alguém do TA, será que vai conseguir entender?... E se for um fã que há anos não vai aos shows, ou alguém que veio pela primeira vez?... E se forem os responsáveis pelo evento, que estavam preocupados tentando resolver o problema do atraso do show?
Assim que pensei nisso, minhas mãos pararam novamente. Mas como já diz o título desta seção dos relatórios, permitam-me contar tudo que aconteceu – e que ainda está fresco na memória – sob o meu ponto de vista.

Eu estava no camarim junto com toda a equipe, no momento em que Ayu estava pronta e prestes a dizer "vamos!". Mas conforme o tempo passava, o silêncio tomava conta do camarim e o clima começou a ficar tenso. Não havia nada que ela própria pudesse fazer, e cada minuto a deixava mais e mais preocupada, olhando continuamente ora para o relógio, ora para um monitor instalado no camarim que mostrava o auditório... Nem sei como descrever a expressão de Ayu naquele momento. Depois de meia-hora, ela finalmente disse:
"-Quero ficar sozinha".
Rapidamente, a equipe fez sinal para que todos deixassem o camarim, e eu os acompanhei. Na minha cabeça, achei que ela quisesse ficar sozinha para conseguir se concentrar até que o problema fosse resolvido e pudesse enfim seguir para o palco. Percebendo que tinha esquecido meu celular, voltei rapidamente e já estava prestes a dizer "desculpe por atrapalhar, mas já vou sair" quando a vi em silêncio e chorando muito!
Com uma voz e trêmula e quase inaudível, Ayu disse:
"-Não sei se terei coragem de aparecer no palco...".
Já trabalho com ela há muito tempo, mas nunca a tinha visto daquele jeito, nem escutado palavras como aquelas. "Haja o que houver, vou dar o melhor de mim", é o que sempre costuma dizer.
Como alguém com a experiência de palco que ela possui, ou melhor dizendo, como alguém da envergadura de Ayumi poderia corresponder às expectativas de tantos fãs ávidos por "Ayumi Hamasaki" diante de tamanho atraso e até da possibilidade de ter músicas cortadas da setlist?
Pensando nisso mais tarde, acho que o orgulho por ter identificado falhas e feito correções deixando tudo bem planejado pode ter lhe dado confiança para enfrentar aquele show como "Ayumi Hamasaki".
"-Está tudo bem, todos estão à sua espera!".
Naquele momento devo ter dito algo assim, mas depois achei que foi uma péssima forma de consolá-la.
No fim das contas, foram cortadas duas músicas da primeira parte, além da performance dos dançarinos e acrobatas que tinha sido adicionada como mudança para o show. Mas será que as trocas de figurino seriam feitas em tempo para não atrasarem o show ainda mais?... Será que os fãs que já conheciam a setlist não ficariam chateados?...
Mesmo assim, quando Ayu deixou o camarim parecia a "Ayumi Hamasaki" que conhecemos. Ainda sou capaz de ouvir os gritos da plateia, com animação suficiente para acabar com qualquer sentimento de insegurança. E em resposta àquela animação, ela cantou desde a abertura como se quisesse esgotar todo seu potencial vocal, o que me lembrou do show eletrizante visto no segundo dia em Nagoya, na TA Tour do ano passado(*).
(*) Tsuriko se refere ao show de 25 de outubro de 2016, quando Ayumi apresentava grande esgotamento físico e vocal. Antes do ensaio, Tsuriko foi ao hotel e encontrou um médico no quarto da cantora, além de vários remédios espalhados. Mesmo em tais condições, Ayumi teria pensado em todos os fãs do TA e dito "eu preciso fazer este show, porque é obrigação da 'Ayumi Hamasaki'".

Sinto muito por aqueles que queriam ouvir todas as músicas da setlist, mas apesar dos cortes, não acham que este show foi o mais próximo da perfeição neste Segundo Ato? Na minha opinião, foi um dos shows mais perfeitos até o momento.


E no dia seguinte...
O segundo dia em Osaka foi marcado por um clima de festa tão grande que mais parecia um encerramento realizado no Yoyogi.
Claro, é só o meu ponto de vista, mas para mim, quem eu vi naquele segundo dia foi a "Ayumi Hamasaki", enquanto no primeiro dia, sinto que enxerguei a "Ayu". No segundo show, pude enxergar a visão de mundo que vinha percebendo durante o Segundo Ato, mas nas anotações do show anterior escrevi que "exceto pela 'Ayu cor de rosa', eu chorei em todas as músicas"... Sinto como se aquela fosse uma Ayu despida de qualquer imagem, livre de qualquer identidade. Algo que ela só é capaz de fazer através da voz...

Não havia destreza que a tornasse capaz de usar uma máscara que já tinha sido tirada, e ela só poderia compensar exteriorizando tudo que tinha com toda sua força. Foi um show muito especial, mas me pergunto se digo isso pelo que presenciei no camarim... Honestamente falando, esses dois dias em Osaka nos deixaram exaustos, mas a grande animação de vocês, que foi capaz de contagiar Ayumi, ficará para sempre na memória.
Houve falhas, mas foram apresentações inesquecíveis e únicas. Cada um de vocês é a peça-chave que completa um show, e considero a força de todos que sempre apoiam Ayumi algo descomunal.
Já estou ansiosa para voltar a Osaka no ano que vem durante o Terceiro Ato!


O texto original está no site oficial da turnê (ayu2017tour.com).

December 05, 2017

, ,

Relatório dos Shows: Tokushima e Ehime

Trazemos hoje o relatório referente ao shows em Tokushima e Ehime (nos dias 1º e 2 de novembro).


"Muito obrigada por terem nos esperado até o dia de hoje", disse Ayu às lágrimas, em um intervalo durante as baladas.
Aquela foi uma nova performance agendada para substituir a que tinha sido cancelada por causa do tufão, mas muitos não puderam estar presentes. Assim, a equipe se esforçou ao máximo para garantir a diversão de quem esteve lá.
Acho que não preciso me prolongar sobre o show em si, por isso decidi escrever sobre o que me surpreendeu naquela apresentação. Em poucas palavras, a evolução vista no show em Omiya ainda estava ocorrendo, e se tornou completa em Tokushima...
A setlist foi mantida, mas a simples mudança no figurino de abertura – que mudou de vermelho para dourado – fez com que a protagonista das histórias que eu já vi tantas vezes sofresse uma mudança tão grande, que até o significado das músicas me pareceu bastante diferente.
Quando mudamos as peças de um quebra-cabeça, surge uma nova imagem; e o que eu vi diante dos meus olhos foi justamente isso. De alguma forma, Ayu pareceu se integrar totalmente à música e cantar segundo seus sentimentos. Aquela imagem foi impressionante. Ok, sou péssima para descrever coisas abstratas, mas a visão que eu tinha do Segundo Ato desde que ele começou até agora, mudou completamente. A ponto de pensar "até hoje houve uma série de aperfeiçoamentos, mas será que já tivemos algo dessa magnitude antes?".
Sobre isso, estou pensando em perguntar diretamente a Ayu! Aguardem a resposta...

Mudando de assunto, mesmo atrasados em um dia, os dançarinos e acrobatas usaram fantasias de Halloween durante o encore! Além do uniforme usado por ZIN (e que Ayu pegou emprestado), o dançarino ko-ya apareceu vestido como palhaço, enquanto Kuni, Kazuma e Tomoki se vestiram como 'Blouson with B' e fizeram a alegria da plateia! Mas devo dizer que o mais aplaudido foi Subaru, que com maestria repetiu a fantasia do Halloween passado e se vestiu como o diretor hospitalar Takasu.

O show em Ehime, no dia seguinte, também foi incrível.
Yoshio Nomura esteve no Matsuyama City Hall!!!! Não como 'Yocchan', o guitarrista que está sempre ao lado esquerdo de Ayumi desde sua primeira turnê, e sim como o 'sortudo do dia'(*), que subiu no palco como uma feliz surpresa e recebeu do público presente uma grande salva de palmas!
(*) "Lucky boy" no original, como são chamados os fãs escolhidos na plateia para subir no palco.
No ano passado, estive em Ehime pela primeira vez em dez anos graças à TA Tour, e naquela ocasião escrevi no relatório que tinha ficado encantada com a energia da plateia. Assim, estive ansiosa por este reencontro depois de um ano, e vocês não decepcionaram!!! Durante todo o show, a animação de vocês ecoou fortemente pelo hall.
Inclusive, estive pela cidade pouco antes do show e cheguei a ouvir músicas de Ayu tocando em algumas lojas. Pessoas da produção também contaram que ouviram músicas dela quando foram a uma pizzaria, e fiquei imensamente feliz. Foi como se estivéssemos recebendo as boas-vindas de todos vocês.
A própria Ayu também ficou muito feliz com esta recepção. Na primeira parte do show ela meio que se segurou um pouco, mas na segunda, se empolgou como se não se importasse em desmaiar no palco (risos).

E para terminar, tenho um pedido a fazer.
Como todos já devem ter visto nas redes sociais, agora é permitido tirar fotos durante uma única música do encore e muitos já estão postando lindas imagens por aí. Entretanto, há pessoas que tiram fotos durante outras músicas, fazem filmagens ou até saem de seus lugares para tirar fotos... E diante da chance de ver Ayumi ali, em pessoa, temos percebido alguns tumultos. Por ser inconveniente e poder até machucar aqueles que respeitam as regras, caso tais atitudes continuem se repetindo, infelizmente teremos que voltar a proibir as fotos.
Ouvi dizer que os seguranças em alguns halls (que eram funcionários temporários) tiveram problemas na área dos assentos preferenciais, por exemplo, onde havia cadeirantes.
Por isso, peço encarecidamente a todos vocês que colaborem, para que assim possamos nos divertir todos juntos.

O texto original está no site oficial da turnê (ayu2017tour.com).

November 30, 2017

, ,

Relatório dos Shows: Omiya

Trazemos hoje o relatório do show de Omiya, em Saitama (dia 27 de outubro).


O primeiro show do Segundo Ato, em Yokohama, marcou o retorno de Ayu e sua equipe à região de Kanto(*) depois de muito tempo. Como eu já estava lá há vários dias, quase me esqueci da atmosfera de Kanto, como se tivesse me adaptado a ela, mas é realmente diferente! A reação do público do início ao fim do show foi bem diferente se comparado às outras regiões. O local estava repleto de fãs com o A-mark pintado no rosto e vestidos dos pés à cabeça com camisetas e moletons da turnê.
(*) Região formada por sete províncias, dentre elas Kanagawa (cuja capital é Yokohama) e Saitama (onde fica a cidade de Omiya).

O cansaço das longas viagens pôde ser notado em Ayu, e sua voz parecia rouca em alguns momentos. Nesse meio-tempo, sempre me perguntei onde ela conseguia tanta energia para os shows. E hoje, assistindo à sequência das baladas no ensaio, percebi que meu ponto de vista era equivocado. Após algumas músicas, Ayu começou a cantar "beloved" segurando as lágrimas e com uma voz que...
Bom, acho que não fui a única a se lembrar dos shows em Kobe e Hiroshima. Desde a época da TA Tour, fico extremamente emocionada sempre que ouço esta música, mas até hoje nunca tinha ficado tão emocionada logo no começo dela. Foi quando achei ter entendido o significado do trecho "o meu antigo eu".
Não importa o quão forte Ayumi seja, existem sentimentos no fundo do coração que não podem ser mudados. Isto soou de forma tão clara ao público de Omiya, que o público a cobriu de aplausos ao término da música; aplausos esses mais intensos que os da abertura do show.
Ayu sempre consegue se comunicar com os fãs desta forma. Unificando seus corações.
Em seguida, foi a vez de "how beautiful you are". O que Ayu e todos ali presentes compartilharam quando as mãos se tocaram foi amor, esperança e coragem – obviamente, o que nos dá força para viver. Sorri timidamente ao compreender isto.
Mas particularmente, neste dia, a música que mais me tocou foi "Free & Easy". Sério, nunca senti tanta tristeza emanando dela. Depois veio "Mirrorcle World", que jogou este sentimento para longe.

No relatório de Hiroshima, escrevi que tinha sentido um recomeço do Segundo Ato, mas estava completamente enganada! A verdade é que, o primeiro figurino em Kobe e Hiroshima mudou de preto para vermelho, e é claro que foi uma decisão da própria Ayumi.
"Não quero mais vestir preto. Deixou de combinar com o meu eu atual."
Acho que essas palavras têm relação com o significado do tema da turnê, então vou omitir este detalhe por enquanto. Mas de certa forma, Ayu quis dizer que "a tristeza se tornou poeira e está sendo soprada para longe".
Desde Yokohama, já estou assistindo aos shows há quase dois meses e posso dizer que notei algo diferente entre Hiroshima e Omiya. Sinto que houve uma mudança em Ayu, mas ainda não sei explicar do que se trata. E é claro que não vai adiantar eu perguntar a ela.

A propósito, minha última observação sobre Omiya: todo o trabalho e emoção apresentados por Ayu e sua equipe naquele dia, da abertura do show até o final, podem ser resumidos em uma única palavra: "espetacular". Afinal, quando a energia de Kanto se reúne, não há com o que se comparar.

E para terminar, esta semana iremos a Tokushima realizar o show que foi originalmente adiado por causa do tufão!!!!! Todos vocês em Tokushima e Ehime, que estão esperando há tanto tempo: estão preparados??? Ayu prometeu retornar a Shikoku(*) para estas duas apresentações.
Por isso estejam prontos para fazer deste mais um show poderoso e lendário, juntamente com Ayu e sua equipe!
(*) Literalmente "quatro territórios", é a região do Japão formada por quatro províncias: Tokushima, Ehime, Kagawa e Kochi.

O texto original está no site oficial da turnê (ayu2017tour.com).

November 26, 2017

, ,

Relatório dos Shows: Kobe e Hiroshima

Trazemos hoje o relatório referente aos shows em Kobe e Hiroshima (ocorridos em 22 e 23 de outubro).


Depois de Tokushima, foi a vez de Kobe ter a performance adiada por conta do tufão...
Só soubemos da decisão no começo daquela tarde, ao chegarmos no aeroporto Itami. Os ingressos já estavam esgotados, e a animação do público era tão grande que eu gostaria muito que o show tivesse acontecido. Como o cancelamento em Tokushima foi divulgado com um pouco mais de antecedência, o resultado não foi tão ruim... Já em Kobe, parece que a decisão foi tomada no último instante.
Torcíamos para que o tufão não viesse na direção da cidade, mas infelizmente o cancelamento foi inevitável e Ayu, que chegou em Kobe no dia anterior, teve que anunciar sua decisão poucas horas antes do show. Àquela altura, já sabíamos que a fila no ponto de venda dos goods tinha se formado e era imensa.

Na condição de alguém que esteve presente no local, posso afirmar que assim que Ayumi e sua equipe surgiram diante daquelas pessoas, houve grande comoção que, creio eu, nunca tinha visto igual. O show estava cancelado, mas todos pareciam felizes demais apenas em poder vê-la, mesmo que de relance. Muitos choravam. E mesmo quando Ayu tentou – por duas vezes – sair e acenar para os que estavam na fila do lado de fora, foi impossível porque o caminho estava bloqueado com tanta gente.
O sentimento deles era compreensível, mas não havia outra saída senão o cancelamento.
Tínhamos pouquíssimo tempo para aquele contato com os fãs, e assim que chegou ao fim e alguém da equipe avisou que era hora de irmos embora, lembro de ver Ayumi quase chorando.
Mesmo depois de se despedir dos fãs, sua expressão continuou abalada. "Tinha muita gente do lado de fora com quem não consegui falar... Por quanto tempo será que eles ficaram me esperando?", disse de repente. E voltando-se para o motorista, perguntou "teria como pegar um caminho que passasse por eles?". Infelizmente, este trajeto estava tomado de pessoas e o pedido teve que ser negado.
O rosto dela foi tomado por uma expressão que só me lembro de ter visto durante a turnê Cirque de Minuit, quando RIKI se machucou. Uma expressão que parecia ódio de si mesma ao ver o inchaço no rosto de RIKI e ter que deixá-lo fora do show...
Vale lembrar que Ayumi não tinha ido falar com o público em Tokushima. Então, por que ela resolveu fazer isso em Kobe? Vendo sua expressão tão abatida, não tive coragem de perguntar naquele momento.
À noite, porém, recebi uma mensagem dela via LINE. Começava dizendo "o dia de hoje foi horrível". E o teor da mensagem, resumidamente, dizia que embora muito frustrada com o cancelamento e com a demora em comunicá-lo, mesmo que fosse repudiada e xingada por um milhão de pessoas, faria toda a diferença olhar nos olhos de uma única pessoa e ganhar dela um sorriso. E que mesmo se sentindo mal consigo própria, estava decidida a seguir por este caminho, já que era, possivelmente, o único capaz de seguir.
Ayu parecia se sentir inútil e amargurada...
Não sei como os outros membros da equipe enxergaram aquele encontro, mas quando ela apareceu diante dos fãs, parecia querer sorrir para todos eles durante o máximo de tempo possível, mesmo que se expusesse ou se sacrificasse. Acho que aquilo teve um grande significado.

E diante dos acontecimentos em Kobe, Ayumi decidiu fazer alterações sensíveis no show seguinte, em Hiroshima.
Primeiro, um encore duplo foi criado às pressas com a inclusão de "NOW & 4EVA", que durante a TA Tour ela sempre cantou segurando as lágrimas e trazia a mensagem que ela parecia querer dizer naquele momento:
"Quero te ver. Detesto quando você não está aqui. (...) Quero muito estar ao seu lado, mesmo que seja por apenas um segundo."
Além disso, originalmente, só os dançarinos e acrobatas desciam do palco e iam até a plateia; mas no ensaio, de repente Ayu também resolveu fazer isso! Aquilo me surpreendeu, mas sendo algo típico dela, até me fez sorrir...
Já no show, Ayumi desapareceu instantaneamente no meio daquela multidão, e isso me preocupou por achar que poderia haver algum tipo de perigo. Mas os fãs logo abriram caminho para que ela pudesse retornar ao palco.
Dizendo "divirtam-se por todos aqueles que pretendiam assistir ao show em Kobe", Ayumi não só permitiu que o público tirasse fotos, como também desceu do palco e foi até a plateia.
Foi um espetáculo criado com a união de todos os presentes. Particularmente, gostaria muito de elogiar a atitude de vocês de Hiroshima! Foi lindo!!!!


Não importa a gravidade do problema, há sentimentos que permanecem inabaláveis... As surpresas em Hiroshima foram uma mensagem dirigida aos fãs de todo o país que esperavam por Ayu. E mais do que tudo, acredito que este tenha sido um ótimo "recomeço do Segundo Ato" para ela (falarei mais sobre isso em outra ocasião).
Agradeço demais a todos vocês que estiveram conosco! E tentarei ser menos subjetiva em meus textos.
Então, até a próxima!

O texto original está no site oficial da turnê (ayu2017tour.com).